Características de um bom líder!

11/11/2020
Image

Hoje vamos abordar um dos temas mais importantes quando pensamos e falamos de uma organização, pessoas.
Uma empresa pode ser composta de diversos departamentos, itens, processos, mas o que há de comum em todas elas são as pessoas, as que operam, as que direcionam e as que criam uma visão. É esse grupo de pessoas que quando unidas trazem resultados excelentes para a organização. 

Para que as pessoas tenham melhores resultados em suas atribuições, duas figuras são muito importantes, o papel gerencial e do líder.
Mas você sabia que eles desempenham funções diferentes?

Gerência e Liderança:

Bons gerentes nem sempre são bons líderes, assim como bons líderes podem ser maus gerentes. Como assim?
Embora as duas funções tenham características similares, principalmente quando pensamos em capacidade humana e organizacional, seus papéis estratégicos dentro da empresa são diferentes.
Os líderes vão em busca de novas possibilidades, novas visões competitivas, contra atacando a concorrência e buscando maior espaço no mercado, enquanto os gerentes entendem essa visão e trazem para a realidade do dia a dia. 
Uma gerência eficiente é fundamental para o sucesso de uma organização. É a gerência que cuida dos processos, planejamento, orçamento, estrutura e RH. 

Importante entendermos que ambos os papéis são essenciais para a organização, os líderes vislumbram oportunidades e os gerentes permitem que elas se tornem realidade. 

Habilidades de um líder:

> Ser corajoso:  Líderes precisam ser corajosos, afinal, mesmo em meio às incertezas ele precisa se manter firme a visão do seu negócio.  
Precisam tomar decisões difíceis, pensando não apenas na situação atual mas na futura. 
Precisam ter pulso firme, sabendo cobrar seus subordinados quando as coisas não estão conforme o planejado, saber quem contratar e demitir. 

> Trazer resultados: Um líder precisa ter uma visão ampla, ver o mercado, os concorrentes e encontrar oportunidades para sua empresa. 
Nem sempre o resultado vem de um jeito carinhoso, as vezes é preciso rever o quadro de funcionários, realinhar as expectativas, reduzir custos, mas com a certeza de que o caminho está correto, e mesmo sendo questionado tem clareza dos seus passos, como em um jogo de xadrez. 

> Desenvolver a cultura do não: Enraizamos em nossa cultura uma hierarquia com nossa gestão, a qual não se pode discordar. Infelizmente o resultado de sempre dizer “ sim” aos superiores pode resultar em resultados ruins. 
Para muitos funcionários, trabalhar dentro de uma organização significa sempre dizer “sim”, o medo de perder o emprego, a promoção ou não se sentir querido faz com que os funcionários sempre tragam apenas notícias felizes. 
Existe um ponto de atenção aqui, se as notícias ruins também não estão chegando, os líderes perdem informações vitais para a tomada de decisão.  
Bons líderes criam um ambiente propenso para que as más notícias também cheguem, sendo encorajadas a ser discutidas sem julgamento, assim, em vez de achar culpados o objetivo é ir em buscar de soluções. 

> Liderar pessoas: Um bom líder sabe que nem sempre irá agradar seus subordinados, liderar bem nem sempre implicado em deixar as pessoas felizes, mas, ele orienta e mostra a visão do porque aquela ação/decisão é importante.
Sem regras, normas, valores e expectativas, as pessoas passam a se sentir nervosas e ansiosas, sem encontrar segurança e um propósito para elas, isso porque nós seres humanos precisamos de estabilidade.

Visão na prática:

Se um líder deseja que sua visão seja aceita por sua equipe, ele precisa mostrar isso na prática.
De nada adianta ficar apenas no discurso bonito e nas apresentações de resultados, é preciso mostrar que também coloca a “ mão na massa”, conhece as pessoas, a sua empresa, os processos.
Uma boa liderança envolve integridade, confiança, empatia e empoderamento, exige ação e não apenas intelecto.
“Liderança se aprende fazendo”

 

Empoderamento da equipe:

Liderar tem a ver com desenvolver uma agenda para empoderar as pessoas de modo que elas produzam uma mudança útil. 
O sucesso nos negócios raramente é atingido pelo gênio individual, e os maiores líderes são aqueles que reconhecem o valor de maximizar o talento por meio de suas equipes. 
Os líderes devem comunicar uma forte visão para sua equipe, e empoderá-la para que também possam tomar decisões, ouvindo, gerando confiança, capacitando e dando as ferramentas necessárias para isso. 

 

Resultados reais- Case Carlos Ghosn CEO Renault e Nissan

Nascido em 1954, Carlos Ghosn é brasileiro de origem franco-libanesa. 
Começou sua carreira na Michelin e mudou para a Renault em 1996, sendo promovido a CEO em 1999, assim que a Renault comprou parte significativa da empresa Japonesa em apuros. 
Naquela época, a dívida da Nissan havia chegado a US$20 bilhões, e só três dos seus 48 modelos de carros davam lucro. 
Prometendo se demitir se a empresa não voltasse ao lucro até o final do ano, ele desafiou a etiqueta empresarial japonesa ao cortar 21 mil vagas e fechar fábricas domésticas que davam prejuízo. 
Em três anos, a Nissan tornou-se uma das montadoras mais lucrativas, com margens operacionais acima de 9% mais que o dobro da média do setor. 
Tendo sido o principal executivo daquilo que foi descrito como uma das maiores viradas da história da administração, Ghosn foi chamado de “ o homem mais trabalhador do negócio automobilístico do mundo” pela Forbes, em 2011.

 

Receba novidades, dicas de gestão farmacêutica e muito mais!

Posts recentes